TERIA PRAZER EM SENTIR


TERIA PRAZER EM SENTIR

Teria prazer em sentir seu corpo, calejar tua boca
morder teus seios, descer as mãos na sua costa
caminhando ate suas pernas.
Parece fácil conhecer teu sabor, te aceitar,
aceitar o meus tamanhos
no céu do teu sexo em graal,
mas não é assim que as formas falam em mim.
Eu nem sempre reconheço o meu corpo no seu.
É ai que sinto o corpo abstrair, me trair
bebendo minha carne em um tato que atinge uma temperatura
mas nem sempre consegue arder nas chamas das
tuas necessidades carentes pela ausência fervente do toque,
do suor escorrendo na testa embaçada pelo suspiro,
acompanhado de gozos de prazer.
Busco meu corpo através da tua semelhança que tenta
desvendar as vozes que falam dentro de mim
Mas nem sempre meus ouvidos estão aptos a ouvir o que dizes.
Talvez isso aconteça por eu não conhecer meus verdadeiros desejos.
Meu corpo tem um cheiro embutido na pele tua, minha, nua
Num salto de experiências somadas nos corpos totais
que deitaram minha nudez
impregnada de insatisfação e preconceito de mim.
Não tenho definições em meu corpo.
Ou talvez as tenha tanto que não me permito ser o que de fato sou.
Mas o que sou? são perguntas sem respostas...
São respostas que permanecem em silêncio.
Quero sentir e me entregar aos mesmos sentidos
que as curvas do prazer servir na bandeja dos dias,
acompanhando um cálice dopado de desejo, tesão e tons...
Nem sempre consigo sentir os tons...
E as vezes que consegui acabei perdendo-o
num impulso desesperado de descreve-lo,
quando o sensato era calar a voz das definições.
Definições me incomodam
porque nenhuma das suas roupas me serviram
Ficaram apertadas e sufocaram meu peito.
Eu gritei mas ninguém me ouviu.
Acho que nem eu me ouvi...
Vi o desespero, a cólera que a roupa me causava e fiquei passivo, aprisionado.
Leio por onde passo contos de amor e dor.
E sei que eles são vãos em vão que só as vezes são,
e quando são o meu corpo já não era suspense,
não era romance, era um texto numa linguá ainda a decifrar
e para isso preciso provar os sabores do cardápio.

Samir Raoni

Comentários

  1. Adorei esse teu texto. Gosto do carnal, mesmo que no imaginário.
    Os meus são de amor e dor, as vezes carnais, e ainda sim doendo de amor.

    Beijos Samir :**

    ResponderExcluir
  2. lindoooo....que inspiração, nossa!!!

    ResponderExcluir
  3. amei seu blog, linda poesia, belíssima foto...
    conjunto da obra sensível.

    bjos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas